4.4.09 | Autor: Maria Augusta

Não sei quanto a vocês, mas eu adoro tudo que tem uma relação com a escrita. Gosto de belos papéis de carta, envelopes decorados e canetas tinteiro (até hoje lamento uma Parker que meu pai me deixou e que roubaram...) . Pois há alguns dias aconteceu um leilão no Castelo de Bazoches de 710 peças duma coleção de tinteiros e conjuntos para a escrita dos séculos XVIII, XIX e XX vindas de vários paises da Europa e da Ásia. Reproduzo neste diaporama (clique na imagem abaixo para vê-lo) algumas peças, espero que gostem :

Photobucket


Veja mais aqui

Categoria: |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

14 comentários :

On 4 de abril de 2009 10:33 , Meire disse...

Bom dia Maria Augusta.
Eu adoro canetas, adoro tanto que faço coleçao, nao posso ver uma caneta que tenho que parar pra admirar. Estas que voce mostra aqui seriam o meu sonnho impossivel.

Bjs

Meire

 
On 4 de abril de 2009 15:05 , expressodalinha disse...

Lindíssimas peças. A caneta é cada vez mais peça de museu. Mas dá saudade de um bom papel...

 
On 4 de abril de 2009 16:09 , Kovacs disse...

Maria Augusta, lindos os objetos que você trouxe aqui. Nos tempos de Internet parecem ter perdido completamente a função, mas continuam símbolos da cultura. Por sinal, na minha opinião, os e-readers nunca irão substituir os livros com suas texturas e cheiros (por mais fetichista que isto possa parecer).

 
On 5 de abril de 2009 02:31 , Selena Sartorelo disse...

Olá Maria Augusta,

Esses objetos trazem lembranças, lembranças lindas que só agora lembro-me delas.

Meu pai é um homem maravilhoso, bruto é fato, foi agricultor, caminhoneiro para nos sustentar.
Pouco, muito pouco ele estudou mas tinha orgulho da sua arte, durante anos ele guardou seus jogos de canetas e tinteiro, chamava-os de canetas de penas ,ele não escrevia ele desenhava cada letra .quando pegava em suas penas dava prazer presenciar...o cuidado que aquelas mãos tão rudes tinham em manuseá-las. Minha mãe estudada e sitiante casou-se com belo homem porém um artista mesmo sendo na sua melhor forma ingnorante.
Senti muitas saudades do tempo em que ele escrevia em meus trabalhos de colégo, convites e cartas á amigos, mas hoje tais peças com o tempo se perderam ou no tempo foram esquecidas.

Nossa!!!!!!! voltei numa feliz e rica infância que tive.
Obrigada né.

beijos,

 
On 5 de abril de 2009 07:34 , acqua disse...

Quando era mais nova tive coleção de papéis de carta. Mas acabei usando-os durante o tempo em que troquei correspondência. Eu adoro canetas e lapiseiras, cadernos. Afff. Nem me fale. rs
Beijos e com fim de semana...

 
On 5 de abril de 2009 10:02 , Maria Augusta disse...

Meire, também sempre gostei, espero que um dia você faça um post sobre sua coleção de canetas.
Beijos.

Jorge, é verdade que com os computadores se escreve cada vez menos a mão, é uma pena.
Abraços.

Kovacs, também acho mais gostoso ler um texto sobre papel que na tela.
Abração.

Selena, que bom que este post te despertou lembranças tão lindas. Teu pai deve ser uma pessoa de grande sensibilidade, provando que não é necessario ser "culto" para ter uma alma de artista.
Um grande beijo.

Lunna, sei que você é grande fã de cartas, já nos escreveu deliciosos posts sobre elas...
Um grande beijo.

 
On 5 de abril de 2009 11:53 , Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, bom dia!
Nossa, são peças maravilhosas mesmo.
Eu imagino, poder ver de perto isso tudo.
Realmente, canetas, tem um certo encantamento.
Um lindo domingo prá você.
Se gostar de Tim Maia, teremos um especial, hoje às 9hs, horário de Brasilia. Está convidada.
Beijos meu bem.

 
On 5 de abril de 2009 16:30 , disse...

Maria Augusta...acho que das peças que minha avó me deu;um tinteiro de cristal e prata e sua caneta de pena em Vermeille, com uma pequena pérola de arroz,é dos objetos que mais prezo.Também sou apaixonada por este tema...assim como pelos...perfumeiros. E não é que temos algumas coisas em comum???
:-))
beijos e um ótimo fim de domingo!!

 
On 5 de abril de 2009 16:54 , Georgia disse...

Papéis de carta, rs, tive alguns cor de rosa, rs, lindos!
Eu gostava de caixinha de música, mas eram caras e nunca tive uma. Somente depois de adulta eu mesma me comprei uma para satisfazer o meu sonho.
Canetas nunca fiz colecao, mas achava bonito quando via alguma em filmes e principalmente as canetas tinteiro com penas.

Agora essa colecao ai, é de matar viu. Cada uma mais interessante que a outra.

Um beijo grande e bom domingo

 
On 5 de abril de 2009 18:16 , Claudio Costa disse...

"Eu tinha uma caneta Parker 51, dada pelo meu pai. Era o sonho de consumo: desenho "aerodinâmico", como se dizia. A propaganda circulava nas Seleções do Reader's Digest - meu avô Ilidinho assinava - e em outras revistas e jornais. Por onde anda minha Parker 51?

Escrever cartas era um processo meditado e, portanto, demorado. Tinha-se que refletir sobre o tema da carta, pensar bastante e escolher as palavras com cuidado para não provocar mal-entendidos. Preferia-se a linguagem mais formal, com uma brincadeirinha ou outra. Qualquer gíria deveria ser colocada entre aspas, "sacou"? Muitas vezes as cartas adormeciam dentro de um livro ou no fundo de uma gaveta, à espera de que as idéias amadurecessem e não se corresse o risco de, na precipitação, cometer alguma impropriedade. Um ritual, com certeza."

Escrevi isso aqui: http://prascabecas.blogspot.com/2005/09/quem-ainda-escreve-cartas.html

 
On 5 de abril de 2009 20:35 , jugioli disse...

Maria Augusta, estou completamente vislumbrada com a sua postagem.

Uma beleza!!!

@dis-cursos

 
On 5 de abril de 2009 22:48 , Marco Antonio disse...

Estive em uma exposição dos correios há alguns anos atrás e lá vi inúmeras canetas lindas. A maioria tinteiro que são as que me chamam realmente a atenção. Embora eu não use canetas, eu prefiro minha pentel 05.

 
On 6 de abril de 2009 00:59 , Dulcineia (Lília) disse...

Maria Augusta,
Esta partilha sua fez-me voltar á infância. Aos 8 anos e à caneta de tinta permanente prometida na passagem de classe. Ai, e como eu me sentia importante: com o tinteiro, mata-borrão...
Aínda hoje, as amigas riem . Tenho uma fixação por montras com canetas e cachimbos.
Um abraço
Lília

 
On 6 de abril de 2009 09:50 , Maria Augusta disse...

Aninha, não as vi de perto infelizmente, este leilão foi muito noticiado e procurei as informações na Internet para saber mais sobre ele. Teria ido ver as peças senão fosse tão longe daqui...
Gosto de Tim Maia sim, mas como saí ontem não pude aceitar teu convite, é uma pena.
Um grande beijo.

Vi, é verdade que temos alguns gostos em comum. Imagino que estes objetos que tua avó te deixou devem ser lindos.
Um beijão.

Georgia, também não tenho coleção de canetas embora goste muito delas. Também adorava caixinhas de música quando criança.
Beijos.

Claudio, realmente escrever cartas é um processo diferente em relação a escrever um e-mail, desde as palavras empregadas até a apresentação são bem cuidadas. Pena que se torna obsoleto nos dias de hoje...vou ver o post que você indicou.
Abraços.

Ju, que bom que você gostou!
Um beijão.

Marco, como engenheiro entendo que você prefira as lapiseiras (rs).
Abraços.

Lilia, também gosto de cachimbos, meu marido os fuma e tem alguns muito bonitos.
Beijos.