30.11.09 | Autor: Maria Augusta

Inspirada pelo Expresso da Linha, que discute sobre os eventuais benefícios e malefícios de nossa presença na Web, nestes últimos dias duas notícias me chamaram a atenção : a primeira, falava de empresas que recrutam funcionários por meio do Twitter. Aliás, 45% dos patrões americanos, por exemplo, dizem verificar na Web (blogs, Facebook, MySpace, Hi5, Twitter, etc) as pegadas deixadas pelos potenciais empregados para avaliar sua rede de amigos e sua personalidade. Encontrei também a notícia de que uma canadense, Nathalie Blanchard, que se encontrava de licença médica no seu trabalho por motivo de depressão e que perdeu o direito ao benefício que recebia durante o afastamento, devido à sua página no "Facebook". Nesta, ela publicou fotos onde se mostrava sorridente durante uma viagem à praia e frequentando boates de strip-tease, donde a companhia de seguros concluíu que ela estava apta a retornar ao trabalho e suspendeu o pagamento. A questão é como eles tiveram acesso a esta página que requeria uma senha...

E quanto aos blogs, qual é o risco? É verdade que nestes podemos controlar o que escrevemos ou mostramos, pois estamos conscientes que eles podem ser vistos por todo mundo e que perdemos o controle sobre o uso do que escrevemos após a publicação. Certo, se temos um blog é porque queremos ser lidos, senão escreveríamos no nosso caderninho e o guardaríamos a sete chaves, é uma exposição voluntária. Mas existe também o caso dos motores de pesquisa...outro dia descobri que as palavras chave que entramos nele ficam registradas de modo indelével, encontrei pesquisas que realizei há meses atrás...sem falar nos famigerados cookies, que se instalam em nossos computadores sem nos pedir licença, descobrem nossas preferências e depois somos bombardeados com publicidades tentadoramente personalizadas.

Pois este assunto de privacidade na Internet está dando "panos para manga" aqui na França...A secretária de estado encarregada das "novas tecnologias" está propondo uma lei segundo a qual o que publicamos nas redes sociais e outros deve ter um tempo de estocagem limitado, implementando assim o direito ao "esquecimento digital". Isto é importante principalmente para os adolescentes que escrevem bobagens em seus blogs, o que poderá prejudicá-los mais tarde em sua vida pessoal e profissional. Mas me pergunto qual é o alcance que uma lei destas pode ter se aprovada, pois ela será válida somente para o Web francês e muitas vezes nem sabemos em que país se encontra o server que hospeda nosso site...

Pessoalmente sou uma pessoa muito reservada, dou uma volta enorme no quarteirão para evitar uma vizinha que segue o movimento da rua com binóculos (aqui na França "fofoca" se chama "ragot" e também não é o que falta rs). Não que tenha algo a esconder, mas me incomoda esta ingerência na minha vida, ter a impressão de que ela vigia meus passos. Porisso saber que tudo que faço ou penso quando entro na Internet é acessível a todo mundo (não falo do blog, que é uma exposição voluntária) e para sempre me faz realmente lembrar do "Big Brother" do livro "1984" de George Orwell. Será que estamos caminhando para isto? Ou já estaremos vivendo uma imensa "webrealidade"?


Fonte da imagem
aqui


NÃO PERCA!

A Jugioli também está escrevendo sobre a blogosfera, em um texto magnífico chamado "
Comunicado I (Primavera de 2009)".

E a Fátima também está falando sobre o assunto no seu interessante post "A Questão da Mídia Social".

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

25 comentários :

On 30 de novembro de 2009 10:40 , Marco disse...

Não sei, eu sou muito novo nessa coisa de internet, ainda apanho um pouco disso e grito pela Lu.
Não tenho exatamente um pensamento formado com relação a isso, ainda preciso pensar muito para me definir.
Mas eu também não sou muito fã dessa exposição toda. No caso da Lu por exemplo, ela expõe a arte dela, é diferente. Um ou outro pensamento, mas não vai muito além disso. Conheci através dela um ou dois blogueiros, mas não aqui em casa. Afinal, você nunca sabe exatamente o que há por trás dos posts: heróis ou vilões, não é mesmo?
Eu acho que você está certa em preservar sua intimidade (vida pessoal) porque está cada dia mais difícil identificar quem é realmente a outra pessoa que está ali tão ao seu alcance.
Grande abraço e uma excelente semana

 
On 30 de novembro de 2009 11:09 , Georgia disse...

Bom dia!

Eu acho que me exponho e exponho bastante a minha família.
Christian a princípio nao queria as fotos das criancas e nunca insisti com ele, mas depois de colocar algumas lá ele até nao tocou mais no assunto.
O perigo sempre existe em todo o lugar, mas acho que há redes onde às pessoas estao levando a coisa muito para a exposicao ou acham que sao STATUS, como é o caso do Twitter.
O Orkut no Brasil teve a sua febre e agora é a vez do Twitter. Confesso que nao tenho tempo para isso e mesmo que tivesse nao entraria, nao é meu tipo ficar contando os passos do meu dia a dia, quero um pouco de liberdade já que eu acho que o blog me prende bastante por aqui.
Tenho o blog e o orkut. Nao gosto do orkut e apago as mensagens recebidas. Orkut mantenho porque minha mae uma senhora de quase 70 anos é a rede mais fácil dela abrir e ver as fotos nossa por aqui e da minha família que vive em outras regioes no Brasil. Todos longe dos meus pais. Só por isso mantenho o Orkut.
O blog é o meu diário, minha revista onde escrevo o que quero e desejo independente de que o lê.
E email, essa é a rede que mais gosto, pois ali converso com os amigos em particular o que preciso.

Mas o povo tá muito carente, procurando todas essas janelas. É muita falta de fazer algo por si memso e ficar batendo papo compessoas que tanto você como ela nao te conhecem e se você for de opiniao diferente a amizade acaba porque nao tem estrutura prá isso. Falta a base, o olho no olho.

Fora disso meu médico já até disse: Vai ser uma geracao de colesterol muito alto por ficar muito tempo sentado e outras complicacoes. De doencas o mundo já está cheio.

Um ótimo tema a ser discutido.
Eu tenho minha opiniao. Gosto da net para me informar, para ler por um tempo curto no mais tô como cigarra, cantando e voando num jardim bem real.

Um grande beijo e boa semana

 
On 30 de novembro de 2009 12:49 , ElmaCarneiro disse...

Maria Augusta
Ótimo tema esse.
Bem eu já me afastei de Orkut, Facebook, Twitter e etcs e tals. Não suportei o vazio da maioria das pessoas e acho esses sites de relacionamentos muito sem graça e sem emoção. Talvez pelo fato de as pessoas só falarem delas e de suas vidas, na maioria contadores de vantagens pessoais e exibicionistas, como os pseudo-intelectuais, vejo também pessoas preconceituosas .
Lamentável temos que perceber que também no mundo virtual as pessoas não fogem as regras.

Tenho meus blogs que pouco falam de mim, não é nada auto-biografico e acho melhor assim.
Num blog, apesar de que até o papel que escrevemos no Microsoft Word é produzido pelo computador que nos oferece as cores, fontes, vírgulas, pontos finais, reticências, imagens, temos ainda como real a nossa mente a criar o que bem entendemos, inclusive uma falsa idéia do que realmente somos, pois no final das contas podemos ser autor de nosso próprio personagem inclusive os tais de exibicionistas intelectuais de pouco valor que não nos acrescentadam nada.

Bem disse Mario de Andrade: “as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos“. Como sempre concordo plenamente, pois rótulo nem sempre é sinônimo de bom produto.
Mas é bom blogar e isso me tem prendido muito ao computador ou as leituras de livros para pesquisas e tenho aprendido muito.
Mas como temos a liberdade de ter nossas opções, o que nos cabe é navegar por outros mares ou espaços porque sempre encontro coisas boas que vem de encontro as minhas buscas, mesmo porque tem muita coisa boa nesse mundo cibernético.
Uma boa semana e um beijooo

 
On 30 de novembro de 2009 13:14 , Eduardo P.L disse...

Muito bom ler o post, suas teses, e comentários, com as posições pessoais dos seus leitores!
Eu não tenho dúvia que já estamos vivendo o que Orwell previu e vaticinou! Até parece que se copia a literatura, como fizemos com Júlio Verne e cia bela!!!!!

 
On 30 de novembro de 2009 19:22 , Meire disse...

Maria Augusta, muito bom vc tocar neste assunto, nos faz pensar.
Faz algum tempo eu dei uma parada, minha vida estava muito exposta e com isso dava margens a qualquer um sentir-se no direito de dar palpites.
Bjs

 
On 30 de novembro de 2009 19:42 , Tertúlias... disse...

Mas que log mais sabido! Adoro!

 
On 30 de novembro de 2009 20:59 , sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta, o tema deste post e o do Jorge, no Expresso da Linha, é muito importante! Você citou a privacidade na Internet, e ela me preocupa. Evito publicar informações pessoais no blog pois sei que elas ficam para sempre na rede. Por outro lado, tenho tido muita sorte, pois a maioria dos meus amigos virtuais (do Brasil e do exterior) são ótimos e eu os considero amigos reais, com os quais gostaria de me encontrar pessoalmente um dia. Mas também tenho cuidado em escolher os blogs, e com a prática, a gente acaba percebendo quem é quem e erra menos.

Outro ponto é o dos Direitos Autorais, que ainda não são respeitados. Os especialistas alertam: se você não quer ter sua foto ou texto usado sem o seu consentimento, não os publique.

Concordo com você, acho que já ultrapassamos o estágio do 1984. A invasão toda já se espalhou e se banalizou!

O tamanho deste comentário ultrapassou o razoável... Mas posts ótimos são assim mesmo, repercutem.
Beijos.

PS: A respeito dos cookies, quase todos os dias eu Excluo os Arquivos de Internet Temporários, os Cookies e o Histórico de sites visitados. Isso afastou muita publicidade indesejada.

 
On 30 de novembro de 2009 22:33 , Luma Rosa disse...

Acho que quem não está acostumado com a web e acessar, por exemplo, sua conta no google (impossível alguém hoje em dia não possuir um produto google) pode ficar um pouco assustado https://www.google.com/dashboard/?hl=pt-BR&pli=1 (contas em português brasileiro) principalmente quando deslumbramos nosso histórico, links patrocinados e estatísticas. Porém o ítem que causa mais espanto, talvez seja o painel de controle, onde você pode ver todos os seus dados armazenados pelo google. Enfim, quem está na chuva é para se molhar? Não, leve o guarda-chuva. Ser precavido é ser verdadeiro e pronto!
Sabe que conheço gente que saiu do blogspot por causa disso? Sim, porque enquanto você está logado ou usando um simples sistema de comentários, seu histório (passeio pela web) está sendo gravado. Por isso dou a opção no "luz" do haloscan - para aqueles que evitam ferramentas google.
Quanto aos blogues, na minha empresa faz parte do questionário de perguntas para admissão. A pessoa tem que declarar se tem ou não um blogue e de antemão, é advertida para não falar da vida profissional.

Engraçado hoje o post do "Luz". Foi justamente um suposto adolescente que pegou fotos da "Flávia, vivendo em coma" para fazer 'gracinhas'. Sim, porque o tal blogueiro se acha no direito de fazer farofa com a vida alheia, só porque se diz 'humorista'.

Vou lá no Eduardo! Não sabia desta discussão!

 
On 30 de novembro de 2009 22:46 , Luma Rosa disse...

Eita, confundi o nome dos rapazes! Não achei a postagem falando sobre o assunto no Expresso da Linha :( Beijus,

 
On 30 de novembro de 2009 23:56 , Lunna disse...

Olha, eu confesso que sou amante da net justamente por causa da possibilidade de explorar o vazio sem se exibir claramente. Não sou muito fã de exposição, eu sei que quando se "brinca" com a arte isso é quase impossível, mas é por isso que a internet é tão interessante.
Eu acho que há meios sim de evitar essa invasão de privacidade, mas hoje em dia as pessoas gostam de se sentir num Big Brother.
Beijos carissima

 
On 1 de dezembro de 2009 00:35 , expressodalinha disse...

De facto já estamos em modo Big Brother. O ponto que eu levantei tinha mais a ver com a questão do relacionamento interpessoal e das alterações comportamentais derivadas. A problemática da confidencialidade incomoda-me menos. Eu não estou em redes. Só estou no blogue e aceito a "espionagem" porque quero ser expiado. Faz parte deste jogo. Não adiro a compras pela net e não me preocupo com empregos porque já não trabalho. Em Portugal agora está muito polémico a questão das escutas ao Primeiro Ministro. Ninguém se entende. O Big Brother está mesmo aí e é apenas um meio diferente de nos lixar!

 
On 1 de dezembro de 2009 01:16 , Wania disse...

Maria augusta

Blogar é muito bom, mas tem todo este outro lado negativo levantado aqui! Infelizmente, assumimos o risco quando topamos manter um espaço deste tipo! O problema maior reside em quem fica do outro lado do computador: se a ética, o respeito e a boa educação imperassem jamais precisaríamos nos preocupar com coisas deste gênero, mas parece que ainda temos um longo caminho a percorrer até chegar neste estágio!


Sempre é bom parar pra pensar sobre isso...



Bjão e boa semana!

 
On 1 de dezembro de 2009 07:48 , Georgia disse...

Bom dia Maria Augusta, voltei para ler os comentarios dessa postagem. Gostei muito do comentario da Elma e penso como ela. Essas redes onde se coloca cada passo do que a pessoa está fazendo. Meu Deus! Onde chegamos com o vazio e a solidao que essas pessoas têm para ficar contando suas coisas ali e dando margem das pessoas rirem dela e levar adiante o que ela falou. Quando eu escrevo que as pessoas andam falando muitas coisas entre si, é que uma ou outra me envia a cópia dessas conversacoes, pois nao se sentiram bem com o picadilho e ai a gente fica sabendo mesmo sem estar fazendo parte...Exatamente como Elma escreveu as pessoas falam de rótulos o conteúdo dessas vidas sao vazias e vao continuar se elas nao amadurecerem.

Outra coisa: Estamos falando para nossos filhos e sobrinhos/as para nao beberem o refrigerante que vem servido aberto e sim que tem-se que abrí-lo na nossa frente e muitos na Web estao se espondo a tal ponto de beberem a droga que lhes estao sendo servida via virtual.

Um beijo

 
On 1 de dezembro de 2009 07:50 , Georgia disse...

expondo.

Eita que agora meu português foi prás cucuias, rs.

 
On 1 de dezembro de 2009 09:03 , Maria Augusta disse...

Marco, sendo um espaço aberto a todos, existe o risco de cairmos sobre pessoas mal-intencionadas. Acho que isto pode ser perigoso principalmente para os mais jovens, quando temos uma certa maturidade conseguimos discernir e colocar limites. Felizmente até agora tive muita sorte, as pessoas que conheci via blog são fabulosas.
Abraços.

Georgia, você tem razão quando diz que as pessoas estão carentes e procuram janelas virtuais para compensar, conheço alguém que diz que blogar a salvou da depressão. Mas blogar pode viciar, é verdade, pois ficar sentada muito tempo traz riscos para a saude, precisamos nos controlar também neste sentido. Por outro lado, nos traz muita satisfação e não se deve pensar sempre o pior, quando você coloca fotos das crianças no Orkut, por exemplo, para que tua família as veja, não significa que elas estarão em perigo. Este é um assunto que da muito "pano para mangas"...
Um beijão.

Elma, eu também não faço parte destas outras redes, como o tempo é limitado, o blog é suficiente. Concordo que na Web criamos um personagem mesmo que não seja intencionalmente, a imagem que passamos falta algumas facetas, porisso não se deve se basear apenas no que está escrito para julgar em bem ou em mal uma pessoa. Por outro lado, as pessoas que nos lêem conhecem uma faceta nossa que as que nos conhecem pessoalmente muitas vezes não perceberam, pois ela é complementar à da nossa vida real. Estas relações virtuais são um tema novo e fascinante, e se fizermos o saldo, blogar é muito enriquecedor, concordo com você.
Um grande beijo.

Eduardo, é verdade, além do rastro que deixamos na Internet, cada vez que nos deslocamos com o celular podemos ser localizados, cada vez que compramos algo com um cartão de crédito também. É melhor nem pensar, mas estamos mesmo na época do Big Brother.
Um abração.

Meire, pois é, aos poucos vamos aprendendo a colocar limites, né?
Um beijão.

Tertulia, este blog ainda não é sabido porque é muito novinho rs, mas está ficando aos poucos, pois cada comentário que recebe acrescenta muito aos assuntos aqui tratados.
Abraços.

Sonia, nossos amigos virtuais estão em sintonia com o que dizemos e vice-versa, e poderiam ser amigos reais. Como disse na resposta à Elma, isto permitiria de conhecer as outras facetas que não vemos na Internet para ambas as partes.
O problema dos direitos autorias também leva à muita discussão, pois muitas vezes sem querer usurpar colocamos imagens sem identificação do autor e isto é um erro, embora sem intenção. Sem falar nos textos que são copiados intencionalmente, regularizar tudo isto vai ser muito difícil...
Um grande beijo para você.

 
On 1 de dezembro de 2009 09:59 , Maria Augusta disse...

Luma, foi entrando no histórico do Google que percebi que cada passo nosso é gravado quando surfamos na web...não imaginava que fosse tanto, uma empresa de marketing pode fazer milhões, pois se comprar isto do Google vai nos conhecer de cor e salteado rs.
Por falar de empresas e blogs, por aqui repercutiu muito a história de uma moça que foi mandada embora de seu trabalho por ter comentado coisas da firma em seu blog pessoal.
Coloquei o link dos posts do Jorge nos comentários do teu blog.
Beijos.

Lunna, talvez você tenha razão, viver em um Big Brother talvez não desagrade a todos. Quanto à exposição, no teu caso e de outros escritores ela é positiva, é uma vitrine para que possamos ter acesso à obra de vocês...please não esconda nada rs.
Um beijão.

Jorge, é verdade, o enfoque deste post é diferente do teu, eu diria complementar, no contexto dos prós e contras de nossa presença na Web. Realmente, blogar é uma exposição voluntária...e controlada, considerando tudo nos traz muito mais satisfações que inconvenientes. Não estava sabendo desta polêmica com a escuta do Primeiro Ministro em Portugal, isto também faz parte do guarda-chuva do Big Brother rs.
Abraços.

Wania, o problema da ética é sério na Internet, normalmente ele não vem dos que lêem e comentam nos blogs (pelo menos nunca tive problemas com visitantes), pois isto pode ser controlado. O que acho mais inquietante é esta rede que está atrás de tudo, e o modo que ela pode usar as informações que tem a nosso respeito...
Um beijão.

Georgia, imagino que colocar todos seus passos nas redes sociais deve dar origem a muitas "fofocas" mesmo. Nunca recebi cópias destas conversações, mas como na vida real, temos que ter discernimento para reconhecer o que é verdadeiro no que ouvimos e lemos, como você disse.
Um grande beijo.

 
On 1 de dezembro de 2009 15:22 , jugioli disse...

Maria Augusta, vim conferir, e adorei o seu texto, e concordo, andamos fazendo reflexões...
obrigado pelo link.

bjs.

 
On 1 de dezembro de 2009 15:47 , sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta,
Os comentários foram super interessantes! Uma reflexão muito importante para todos nós.
Beijos.

 
On 1 de dezembro de 2009 21:12 , Regina d'Ávila disse...

Assustador...esta é a palavra..
Amiga, comentei no expresso também, e o que você está contando...é irreal...
Bem...por tudo que li, aqui, nos comentários, estou de "boca aberta"...
Vou pensar melhor...sobre tudo isso.
Super beijos querida amiga,
Rê.

 
On 1 de dezembro de 2009 22:26 , Fatima Cristina disse...

Oi Maria Augusta!

Você colocou a questão da internet e da sociedade muito bem. Este é um tema delicado, fonte de vários estudos e muita preocupação.

O meu amigo Ruy de Queiroz, em seu blog: "Cibersegurança e o Domínio Púublico" (ciberdominiopublico.blogspot.com), publica sobre os fenômenos modernos que afetam a internet e a sociedade, em especial a brasileira. Vale a pena ler os seus posts.

O Brasil, conforme já sabemos, é um consumidor de mão cheia das redes sociais, com 80% de sua população conectada. Mesmo os que não possuem computadores em casa, fazem uso da internet em outros ambientes para este fim. Este valor é preocupante. Na verdade são mundos virtuais, onde passamos comprovadamente mais de 23% do tempo de uso total da internet. Entre os consumidores deste novo hábito, se encontram não somente jovens e adultos, mas também crianças em fase escolar.

A indústria da tecnologia da informação se alegra e muito com esses dados, pois cada vez mais são lançados novos jogos, aplicativos, e gadgets de monitoração para esses ambientes virtuais. Tais lançamentos são acolhidos rapidamente e recebidos de braços abertos pela grande maioria que não pode deixar de entrar na onda de toda esta high-tech.

Até que ponto esta convivência no espaço virtual cibernético nos é positiva, cabe a cada um de nós avaliar.

Quanto tempo passamos na frente de nossos monitores nos dedicando aos nossos passatempos virtuais, enquanto no nosso mundo real existe alguém à espera de uma brecha para um papinho ou um carinho? Se a relação for de 50%, quero dizer, se o tempo usado para o entretenimento virtual e o real for o mesmo, estamos quase ultrapassando o limiar de estarmos vivendo "no mundo da lua". Mais uma vez, cabe a nós julgarmos o que tem mais importância em nossas vidas.

Pessoalmente, eu gosto de escrever no blog, ler os blogs de meu interesse e também comentá-los (nem sempre tão longamente como agora! rsrsrs...) Mas tudo tem sua hora e sua proporção.

Quanto ao problema que você mencionou sobre o direito ao "esquecimento digital", acredito que ainda chegaremos lá. É uma questão de tempo e de interesse comercial da indústria de software. Mas, enquanto isso, o melhor mesmo ainda é usar a internet de maneira comedida e sensata, sem esquecer da nossos princípios éticos para não nos arrependermos mais tarde.

Sim eu também sou uma conectada. Uso o LinkedIn profissionalmente, o Plaxo eventualmente, o Facebook irreverentemente, o Orkut esporadicamente, o Twitter informativamente (leio nele as notícias de jornais mundiais em primeira mão) e o Blogger "apaixonadamente"!

É isso Maria Augusta! Acho que comentei demais da conta...
Tá na hora de desligar e voltar para o mundo real. O Darling me espera.

Beijos!

 
On 2 de dezembro de 2009 08:53 , paçoca disse...

Não me preocupo com quem possa estar me vendo. Mesmo porque como nos veem é da interpretação de cada um. Procuro ser sempre correta em tudo o que faço, honesta e generosa. Não fico me mostrando, mas sou sempre a mesma pessoa no público e no particular. Gostei muito do texto. bjs da Paçoca

 
On 2 de dezembro de 2009 09:48 , Maria Augusta disse...

Ju, o teu texto sobre a blogosfera é que esta genial, tão poético!
Beijos.

Sonia, é verdade, estamos fazendo nossa auto-análise sobre o ato de blogar e com muita sinceridade, os comentários estão sendo muito enriquecedores.
Um beijão.

Fátima, impressionantes os numeros que você nos trouxe sobre as pessoas conectadas e sobre o mercado que elas representam. Fui ver o blog do teu amigo, ele traz esta interação da Internet com a sociedade tratando vários aspectos e com profundidade, é muito bom. Quanto à competição entre o tempo no mundo real x tempo no mundo virtual é um fato, felizmente temos a maturidade para saber onde está a prioridade, mas com certeza para pessoas que atravessam momentos de fragilidade existe o risco de deslizar para o virtual, tão atraente. Como você disse podemos blogar e fazer parte das redes virtuais conscientes de que são ferramentas e não a finalidade em si.
Um grande beijo.

Paçoca, este tipo de "fofoca de vizinhança" sempre existiu e normalmente nem me incomodo com elas, até me divertem, embora não aprecie "estar na berlinda". Mas com um binóculo, acho demais rs...
Mas na Internet a espionagem ganha outra dimensão, cada palavra que pesquisamos é gravada, e não temos controle nem podemos saber o uso que seró feito disto, acho um problema ético para a sociedade em geral.
Um grande beijo.

 
On 2 de dezembro de 2009 11:26 , Francy´s Oliva disse...

Eu só uso a net para o meu trabalho e como faço produção, acabo me exibindo pouco porque os artistas que eu produzo é que devem aparecer e isso eu faço questão. Mas acho que a exposição é algo natural, contudo, acho que a gente deve dosar isso para que o bem não se volte para o mal. Algo mais ou menos assim. Beijitos

 
On 2 de dezembro de 2009 17:12 , .Lis disse...

Muito bom o texto e os comentários aqui , a discussão é benéfica a ajuda a manter-nos cuidadosos.Particularmente, tento o máximo não expor minha vida, mas vez ou outra lá vai um assunto desnecessário rsrs até porque meu blog é de trascrição de poemas que gosto e imagens alusivas, só me solto mais um pouco quando comento nos blogs amigos (?) , a gente nao conhece mas são amigos virtuais , geralmente com os mesmos interesses e acabamos considerando íntimos hehehe
É um assunto super interessante. Vou ler mais no blog da Jugioli, seguindo sua recomendação .
Abraços

 
On 3 de dezembro de 2009 09:59 , Maria Augusta disse...

Francy's, este é o lado bom da Internet, funcionar como uma vitrine quando desejamos mostrar algo. Como você disse, devemos encontrar o meio termo para que a exposição traga resultados positivos.
Um beijão.

Lis, não acho que haja um perigo em relação aos amigos virtuais, a não ser no caso das crianças que devemos ficar atentos. Já ouvi falar de casos de assédio de adultos, mas foram poucos. O que me inquieta são as informações que passamos de forma involuntária cada vez que nos conectamos e que são captadas para fins que desconhecemos, como se existisse um Big Brother onipresente...
Um grande beijo.