7.8.09 | Autor: Maria Augusta

Antes se perguntava qual era a diferença entre pixação e graffiti...eu diria que a pixação era geralmente com palavras, o graffiti passou a imagens com uma beleza estética. Hoje se pergunta qual a diferença entre graffiti e street art...Os especialistas dizem que o primeiro é mais espontâneo, feito com os tubos de spray, rapidamente, geralmente de forma marginal, sem autorizações. A street art seria premeditada, projetada em casa ou nos estúdios antes de ser levada às ruas, as técnicas são mais variadas (com colagens, mosaicos, pochoirs), e cada vez mais os artistas pedem a autorização aos proprietários dos muros ou às prefeituras para realizá-la. De qualquer forma, esta manifestação de arte efêmera já ganhou adeptos, e passou das ruas às galerias e museus...como por exemplo, o Grand Palais de Paris, que apresentou recentemente uma exposição com mais de 300 artistas do mundo todo (vídeo aqui). Todas as grandes cidades tem seus representantes, há algum tempo mostrei uma série de fotos que fizemos do "Beco do Batman" na Vila Madalena em São Paulo...agora é a vez de Paris, pois a Cidade Luz, sempre na vanguarda da arte não poderia deixar de ter seus "grafiteiros"...









E a Vi está apresentando uma amostra lindíssima de como os "graffitis" transformaram um bairro em Nova Iorque, não deixem de ir ver.

Update (8/8/2009)

Ouvindo esta música e este tema que fala do que observamos nas ruas, a Selena nos trouxe as impressões que sua sensibilidade captou nas ruas de São Paulo :

"...Hoje passeando pelas ruas aqui de meu bairro, passei por uma feira livre e pensava nos varais do Eduardo..varais que enxergamos com arte e beleza...Varais com réstias de alho e pencas de cebola suspensos numa barraca de sementes dispostas em grandes tonéis de madeira ou acrilico..alguns em cestos menores..tons de terra, vermelho e verdes...noutras barracas latas..vasilhas plásticas e aventais ...pensei em ver peixes pendurados...mas é uma feira comum de rua a feira de sexta da Pompéia...continuei minha caminhada lembrando dos várais que a Jú mandou para o Varal..rindo...e Ouvindo essa música refiz a minha caminhada da Av. Pompéia até a av. Sumaré, observando detalhes que gosto e vendo as reações das pessoas...passei pela rua Diana e fiz questão de passar em frente ao prédio onde morei logo que me casei...alguma coisa Towers...(mania de brasileiro em achar que se for em outro idioma fica mais importante, acho que pode ser mas expliquem o que significa e o pq da escolha rsrsr) há dezessete anos para ser mais exata...depois segui para ver o jornaleiro que cumprimento diariamente de dentro de meu carro, sem nunca ter trocado uma palavra com ele...e nesse momento simpaticamente trocamos acenos com o mesmo respeito. Logo em seguida via uma mulher no quarto ou quinto andar..dependurada na janela a limpar cuidadosamente uma imensa vidraça...não conseguia tirar os olhos dela..pois a janela não tinha grade e ela arriscava-se com tanta segurança que parei para ver a cena...Continuei minha caminhada e ao chegar na av. Sumaré entre muitas observações que fiz..percebi o tanto que tinha caminhado...e quantos varais fotografados.."

E a Luma, no seu excelente post "Rádio com Imagens" traz uma descrição sobre a evolução da música pop nas ultimas décadas, com destaque especial para a música que surgiu "nas ruas", independentes dos circuitos tradicionais. E nos comentários ela nos indicou um post sobre a exposição do renomado Bansky no British Museum de Londres.

A Vi nos relembra os fantásticos graffitis de nosso amigo blogueiro "Caçador", que podem ser vistos em seu Tattooed City. Vale a pena visitá-lo, assim como os outros blogs do Caçador que ela recomenda, "The Dear Hunter" e "Photomelomanias". Fui ver e gostei muito.

Update (10/8/2009)

A Elma também nos fala da street art :

"Acredito que a maioria dessas pinturas teve com origem nos fundamentos do hip hop, depois aos pichadores de muro e suas gangs que usavam (e usam ainda) esse meio de expressão para demarcar seu território passando a ser conhecidos por suas tags, ou por grupos políticos que usavam esse meio como linguagem para comunicação em massa.
Hoje o grafismo se popularizou, se tornando em mais uma nova linguagem de comunicação.
Sei de um site onde o grafitti é mostrado com grande qualidade.

www.artcrimes.com"


E a Sonia nos traz esta dica :

"Um dos blogs que é uma referência a respeito é o Wooster Collective, que faz um painel internacional de Street Art."





You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

23 comentários :

On 7 de agosto de 2009 19:16 , Meire disse...

Oi Maria Augusta, nao sabia que os grafitti "estudados" se chamavam street art.
Vou la prestigiar o post da Vi.
Bjs

 
On 7 de agosto de 2009 20:02 , Selena Sartorelo disse...

Maria Augusta que prazer ver e ouvir esse conjunto que apresenta na mesma sintônia que a Ví, realmente são suficientementes elogiosos e prestam a devida atenção que essa arte merece. Não sabia a exata diferença entre elas, vejo a pixação como algo negativo pois suja...mas encontrar qualquer expressão de arte nas ruas faz bem aos olhos, eu adoro passear pelas ruas e sempre procuro por coisas belas prá se olhar...parabéns querida é muito prazeroso ler e ouvir o que posta...Hoje passeando pelas ruas aqui de meu bairro, passei por uma feira livre e pensava nos varais do Eduardo..varais que enxergamos com arte e beleza...Varais com réstias de alho e pencas de cebola suspensos numa barraca de sementes dispostas em grandes tonéis de madeira ou acrilico..alguns em cestos menores..tons de terra, vermelho e verdes...noutras barracas latas..vasilhas plásticas e aventais ...pensei em ver peixes pendurados...mas é uma feira comum de rua a feira de sexta da Pompéia...continuei minha caminhada lembrando dos várais que a Jú mandou para o Varal..rindo...e Ouvindo essa música refiz a minha caminhada da Av. Pompéia até a av. Sumaré, observando detalhes que gosto e vendo as reações das pessoas...passei pela rua Diana e fiz questão de passar em frente ao prédio onde morei logo que me casei...alguma coisa Towers...(mania de brasileiro em achar que se for em outro idioma fica mais importante, acho que pode ser mas expliquem o que significa e o pq da escolha rsrsr) há dezessete anos para ser mais exata...depois segui para ver o jornaleiro que cumprimento diariamente de dentro de meu carro, sem nunca ter trocado uma palavra com ele...e nesse momento simpaticamente trocamos acenos com o mesmo respeito. Logo em seguida via uma mulher no quarto ou quinto andar..dependurada na janela a limpar cuidadosamente uma imensa vidraça...não conseguia tirar os olhos dela..pois a janela não tinha grade e ela arriscava-se com tanta segurança que parei para ver a cena...Continuei minha caminhada e ao chegar na av. Sumaré entre muitas observações que fiz..percebi o tanto que tinha caminhado...e quantos varais fotografados...Obrigada pelo papo.
Lindo trabalho, mas a música e essas iamgens foram as responsáveis pela desviada de assunto rsrsr...(desculpa descarada pela compulsão de escrever.

beijos
beijos

 
On 8 de agosto de 2009 00:27 , Eduardo P.L disse...

Que bom que mais gente esta assumindo essa ARTE, que em muitos casos, é melhor do que muita coisa que anda pendurada em museus pelo mundo!
Parabéns pela postagem!

 
On 8 de agosto de 2009 09:24 , Maria Augusta disse...

Meire, esta é uma das "classificações", na verdade não existe uma divisão muito clara entre os tipos de arte da rua.
Um grande beijo.

Selena, que lindo comentário, tua sensibilidade registra o que se passa nas ruas e você traduziu em palavras magistralmente, obrigado por nos ter brindado com este momento de passeio pelas ruas paulistanas a seu lado.
Um grande beijo.

Eduardo, é verdade que ela é acessível a todos que passam, e também esta entrando para as galerias e os museus.
Um abração.

 
On 8 de agosto de 2009 15:15 , Ví Leardi disse...

Querida amiga..obrigada pelo link e parabéns pela postagem...Tenho lido muito sobre street art e sua importância crescente...A última exposição de Banksy em Londres em um de seus mais importantes museus, demonstra o quanto esta arte saindo das ruas leva toda uma nova geração a visitá-los com interesse dobrado..crianças de 8 10 anos passam horas a decifrar e comentar sobre a obra deste grafiteiros com quem se identificam de imediato...lindos este grafites que vc coloca aqui...Caçador este novo amigo virtual é genial em seu blogs..Tattoed City traz o que há de melhor em grafite..e seu Dear Hunter é único e fantástico vale uma visita se vc ainda não o conhece...
http://cidadetatuada.blogspot.com/


Mil beijos e saudades...suas e da França que amo!!!

 
On 8 de agosto de 2009 15:23 , Ví Leardi disse...

Maria Augusta voltei para uma correção...além deste dois blogs que cito acima...este amigo Português, de rara inteligência, tem o Photomelomanias..não perca!!!
Bjs

 
On 8 de agosto de 2009 19:05 , Georgia disse...

Maria Augusta!

Deus dos céus que post maravilhoso, nem sei por onde comecar a comentar, rs.

Pela música: Adorei! Ficou sensacional com o puzzle, quebra-cabecas do street art;

Eu nunca gostei de pixacao; sempre me soou de uma forma negativa...mas sempre gostei dos graffitis e agora nao sabia que a nova geracao se chama "street art."

Parabéns pelo trabalho, pois é um trabalho de pura paciência e horas e dias às vezes preparar um material assim.

Vou ver com calma os links indicados por você aqui.

Um lindo fim de semana e muito obrigada por nos enriquecer com uma postagem fantástica como esta.

Um grande beijo Georgia

 
On 8 de agosto de 2009 19:06 , Georgia disse...

Ah, as palavras da Selena. Meu Deus ela brinca sério com as palavras.

Parabéns Selena!

Um grande beijo

 
On 8 de agosto de 2009 23:43 , Diz disse...

Beleza de post!
Bonito ver os olhares de vcs.
Tanta sensibilidade.
bj laura

 
On 9 de agosto de 2009 01:17 , Elma Carneiro disse...

Maria Augusta
Não sou uma entendedora de street art, mas algumas me agradam.
É uma expressão popular que tem seus adeptos e admiradores, alegra a cidade, colore e lhe dá mais vida. Acho bem interessantes.
Gosto muito das letras com aqueles sombreamentos duplos ou triplo, e a incrível técnica do uso do spray. Hoje já se usam uma grande afinidades de materiais.
Acredito que a maioria dessas pinturas teve com origem nos fundamentos do hip hop, depois aos pichadores de muro e suas gangs que usavam (e usam ainda) esse meio de expressão para demarcar seu território passando a ser conhecidos por suas tags, ou por grupos políticos que usavam esse meio como linguagem para comunicação em massa.
Hoje o grafismo se popularizou, se tornando em mais uma nova linguagem de comunicação.
Sei de um site onde o grafitti é mostrado com grande qualidade.

www.artcrimes.com

Um grande abraço

 
On 9 de agosto de 2009 02:49 , Selena Sartorelo disse...

Existem momentos que não se precisa dizer nada além...esse é um deles.
Obrigada.
Beijos

 
On 9 de agosto de 2009 20:30 , sonia a. mascaro disse...

Ótimo post, Maria Augusta, que nos permite uma reflexão do que seja graffiti, street art, pixação... Tenho visto pessoalmente e através de fotos monumentos, esculturas e prédios pixados, o que realmente nos faz pensar nessa diferença.
Vou visitar os links que você selecionou e parabéns por colocar esse assunto para nossa informação e reflexão.
Beijos e um bom domingo.

PS: Um dos blogs que é uma referência a respeito é o Wooster Collective, que faz um painel internacional de Street Art.

 
On 9 de agosto de 2009 22:22 , Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, existe sim muita arte, muita beelza por trás dos nomes, que nem sei da=los ao trabalho.
nõa sei o que é um ou outro. Só sei que fazer essa arte, com consentimento do proprietário é muito legal.
Ainda não fui na Vi, mas se nao me engano ela fez uma postagem no ano passado sobre esse mesmo assunto não?
Um beijo querida, uma boa semana.

 
On 10 de agosto de 2009 09:27 , Maria Augusta disse...

Vi, eu é que te agradeço pelas dicas e pelo carinho de sempre. Também acho que a apesar das derivas que acompanham esta forma de expressão, ela é muito rica devido à liberdade que caracteriza suas manifestações.
Um grande beijo.

Georgia, que bom que gostou, a pesquisa para este post não foi tão complicada, existem sites que trazem muito material nesta área. A Selena sabe usar as palavras realmente.
Um beijão.

Laura, sabia que ia gostar, principalmente porque você adora Paris.
Beijos.

Elma, é verdade que este tipo de expressão começou de forma quase marginal e depois foi reconhecida como verdadeira arte. Muito obrigada pela dica, ela já foi incorporada ao post.
Beijos.

Selena, você tem razão, mesmo teus silêncios são expressivos rs.
Um grande beijo.

Sonia, a pixação é desagradável mesmo, acho um crime desfigurar um momumento com ela. Mas sua evolução preenchendo espaços vazios da paisagem urbana com arte, eu acho positiva.
Um grande beijo.

Aninha, pois é, também acho que pedir a autorização ao proprietário é uma grande evolução, pois isto permite que a obra dure mais e o proprietário terá seu muro valorizado. A Vi, além deste da semana passada, fez no ano passado um post sobre os graffitis de Nova Iorque, eu acho.
Um grande beijo.

 
On 10 de agosto de 2009 15:25 , Lunna disse...

Não deixa de ser uma forma de arte, mas confesso que não me simpatizo muito com ela. São muitas cores e geralmente muitas cores me deixam "perdidas". Já estive lá na Vila Madalena e mesmo não sendo uma admiradora do estilo, aquele lugar parece pedir por esse estilo. Curioso, não é? Enfim, as ruas sempre nos surpreende ainda bem que nem sempre é pelo lado negativo como tantas pessoas gostam de afirmar.
Tenha uma linda semana. Bjs

 
On 10 de agosto de 2009 20:26 , sonia a. mascaro disse...

Que bom que você gostou da dica do site sobre StreetArt!

Obrigada por sua visita ao Leituras! Aposto que você vai gostar do filme Passagem para a Índia. Aqui fica o link para um site que traz absolutamente tudo sobre o filme, inclusive o script na íntegra: A Passage to India.
Beijos e uma ótima semana.

 
On 11 de agosto de 2009 01:58 , marialynce disse...

Existem realmente exemplos muito interessantes destas "ilustrações de parede"... acho muito curiosas aquelas que se desenvolvem através da integração em pormenores de construção:janelas, portas, etc...

Por todo lado é possível observar pelas cidades a presença de pormenores de graffitis, uns melhores outros bem discutíveis, será que as cidades (a sua arquitectura, urbanismo)estão tão feias que precisam da alegria desta expressão artística?...Diria que existem demasiadas zonas que talvez ficassem valorizadas por estas intervenções...

Beijo!

 
On 11 de agosto de 2009 05:51 , luzdeluma disse...

Maria Augusta, não sei se tem leitores em Londres ou que irão para lá, pois acontece na cidade uma exposição de Banksy até o dia 31 de agosto. Para mim ele é o melhor grafiteiro atualmente. Veja o post deste blogue - http://espelho-espelho.blogspot.com/2009/08/banksy.html
Eu acho que as ruas ficam mais alegres e talvez seja por isso que o grafite se desenvolve onde as coisas não estão organizadas. Eu tenho artistas brasileiros para te apresentar. Quem sabe rende postezito? (rs*) Boa semana! Beijus

 
On 11 de agosto de 2009 05:52 , Luma disse...

Ah, obrigada pela referência ao post! Existe uma certa incompreensão do popular. A arte existe em qualquer lugar, basta ter sensibilidade. Beijus

 
On 11 de agosto de 2009 09:04 , Maria Augusta disse...

Lunna, é verdade que quando falamos de algo "das ruas" isto tem uma conotação negativa, meio marginal. É verdade que é difícil imaginar a Vila Madalena sem os graffitis, talvez porque é um bairro que tem muitos artistas.
Um beijão.

Marialynce, esta arte começou como uma manifestação espontânea, talvez para protestar, para se expressar ou para embelezar o cinzento das ruas...e ficou, foi reconhecida. Pena que, como você disse, nem todos são de boa qualidade.
Um grande beijo.

Luma, o Bansky é realmente magnífico, o Eduardo o traz sempre no "Varal de Idéias", e cada uma de suas ilustrações é melhor que a outra...legal se você nos trouxer também um post sobre os graffitis.
Beijos.

 
On 11 de agosto de 2009 14:54 , Marco disse...

Estive em uma exposição aqui em São Paulo há alguns anos e fui lá que eu aprendi a observar o Grafitti como Arte e fiquei muito impressionado com as técnicas individuais que eles possuem. Realmente impressionante. Grande abraço

 
On 14 de agosto de 2009 00:08 , Cris Caetano disse...

Olá, Maria Augusta. Vim aqui por indicação da Georgia. Sou apaixonada por grafite, aliás, gosto de arte e principalmente arte urbana. O Wooster Collective é o melhor site a respeito sobre o tema. E os brasileiros fazem um sucessão fora de nossa terra.

Gostei daqui.

Beijinhos

 
On 14 de agosto de 2009 16:57 , Maria Augusta disse...

Marco, é uma nova forma de expressão artística, antes era considerado como vandalismo, e mesmo agora, em alguns casos ainda é, como as pixações de monumentos...mas felizmente a qualidade e o respeito dos artistas e pelos artistas estão melhorando cada vez mais.
Um abraço.

Cris, obrigada pela visita, as amigas da Georgia são minhas amigas rs. Legal saber que os grafiteiros brasileiros fazem sucesso também no Exterior.
Beijos.