1.2.10 | Autor: Maria Augusta
O Congresso de Copenhague para o clima fracassou, o Sol que continua "em repouso", o frio terrível deste inverno no Hemisfério Norte, com tudo isto o aquecimento climático e suas causas tem sido muito discutidos e reavaliados. Mas isto não impede neste Ecological Day de constatar os danos que causamos em torno de nós como a poluição industrial e refletir sobre os meios a empregar para não abdicar de nosso conforto e ao mesmo tempo respeitar a natureza. Neste sentido, encontrei o trabalho de J. Henry Fair que percorreu o planeta fazendo fotos aéreas magníficas...mas com um terrível significado! Algumas delas estão listadas abaixo, não hesite a clicar para ampliá-las, são muito bonitas...

A poluição provocada pelos metais pesados perto da usina geradora de eletricidade de Lausitz, na Alemanha.
© J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Nas minas de carvão, os empregados cavam o solo para liberar este precioso combustível. A parte que não é usada para produção de energia é empilhada para reforçar a estrutura da mina. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Esta imagem foi realizada na Carolina do Sul. A cor laranja corresponde à poluição gerada pela extração de minérios, no caso o carvão. As cinzas, assim como o arsênico, o mercúrio, o selênio e o chumbo entram em contato direto com o lençol freático. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Estas fileiras bem ordenadas são sedimentos revolvidos para a obtenção de carvão. Esta imagem foi feita em Lausitz na Alemanha. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

As chaminés das centrais elétricas que funcionam a carvão são muito poluidoras, liberando nuvens carregadas de cinzas. Estas se depositam nos arredores, inclusive na água. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Este "dragão" é uma mina de fosfato na Flórida. Ele é formado pela descarga de rejeitos líquidos provenientes das minas de fosfato. Estes produtos são extremamente tóxicos para o meio ambiente. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)


Quase um milhão de hectares de florestas antigas dos Montes Apalaches forma destruidas devido à uma exploração de uma mina. As zonas verdes são uma mistura de ervas e de produtos fertilizantes. Estas crescem mas morrem rapidamente.
© J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Esta também é uma mina de fosfatos na Flórida. A utilização de ácido sulfúrico para a obtenção desta matéria prima para os fertilizantes produz rejeitos ácidos. O tratamento também libera gases à base de fluor. Todos estes compostos são perigosos para os animais que vivem na região. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)


Este rio dourado parece muito bonito mas é melhor não tocá-lo, pois ele é rico em urânio e em ácidos. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Esta imagem vermelha alaranjada mostra a poluição das águas com mercúrio, cádmio, cromo e arsênico perto da usina geradora de eletricidade de Lausitz na Alemanha © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)



A Agência Americana de Proteção do Meio Ambiente (APE) reconheceu este lugar da Carolina do Norte com sendo vítima de poluição maciça. Os lençóis freáticos foram contaminados pelo arsênico proveniente de bacias de rejeitos líquidos insuficientemente protegidos. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)

Montanhas de sedimentos resultantes da extração de carvão. © J Henry Fair

(clique na imagem para aumentá-la)


Fonte : L'Internaute
Categoria: , |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

13 comentários :

On 2 de fevereiro de 2010 12:59 , Georgia disse...

Fiquei impressionada com tanto lixo e lixo perigoso. O que fazer? Será que podemos ter esperanca de dias melhores?

Uma vez li que o homem deve ser considerado pela natureza como intruzo; aquele que veio para destruir.

Parabéns pelo post.

Um beijao

 
On 2 de fevereiro de 2010 19:14 , Marco disse...

Não esperava um resultado diferente para a tal conferência do clima. Sei lá, as pessoas não estão dando realmente importância para tudo que está acontecendo, preferem teorizar tudo como sendo o fim do mundo em 2012.
Será que vamos deixar para fazer algo no último segundo. Até me lembrei de um filme que a Lu trouxe da França há alguns anos atrás "A Praia". É ficção, mas a semelhança com a realidade era algo assustador.
Grande abraço

 
On 2 de fevereiro de 2010 19:32 , Eduardo P.L disse...

Post da ENGENREIRA Maria Augusta! Muito oportuno! Esses são os LIXOS importantes e não só os domésticos!!!!

 
On 2 de fevereiro de 2010 20:15 , sonia a. mascaro disse...

Muitas das imagens chegam a ser bonitas, mas o significado delas é de assustar! O nome dado pelo autor das fotos é bem expressivo: industrial scars.
Ótima participação, como sempre, Maria Augusta! Obrigada pela sua presença no Ecological Day.
Beijos.

 
On 2 de fevereiro de 2010 21:47 , paçoca disse...

A palavra aquecimento me causa um arrepio. Sabia que na conferencia do clima não ia rolar nada. è como ir a uma festinha paa resolver problemas. Não dá. Nós é que não temos que estar esperando acontecer. Quem sabe faz à hora. Bjs da Paçoca

 
On 3 de fevereiro de 2010 09:16 , Maria Augusta disse...

Georgia, acho que no começo da industrialização ninguém pensava nos "efeitos colaterais". Com o tempo eles se acumularam e agora é urgente resolvê-los.
Um beijão.

Marco, é preocupante mesmo este pouco caso com a nossa "casa". Não ouvi falar sobre este filme, vou procurar na Internet.
Um abração.

Eduardo, atualmente uma preocupação importante da indústria química é o controle da poluição. Mas há algumas décadas não se falava nisto nem na escola...
Abraços.

Sonia, é mesmo um contraste espantoso, o que elas significam com o que elas parecem. Obrigada a você pelo Ecological Day, que nos permite falar um pouco sobre estes problemas.
Um grande beijo.

Paçoca, pois é, cada um tem que fazer sua parte, os governos não tem o clima como prioridade. Obrigada pela visita e um beijão.

 
On 3 de fevereiro de 2010 15:11 , Lunna Guedes disse...

Bom dia, quase tarde...
Sempre que leio posts sobre esse tema fico pensando no que estamos fazendo e me questino sobre o conformismo. É irritante. Mas as pessoas estão cada vez mais voltadas para o próprio umbigo. E o pior é que elas se mostram indiferentes aos problemas. Minha vizinha lava calçada todo dia e com mangueira, litros de água no lixo. Há coleta seletiva semanalmente, ninguém separa o lixo. Duas ou três casas apenas numa enorme rua é pouco ou nada. E essa história de beija flor não resolve mais, não dá pra fazer apenas a nossa parte, todos precisam fazer isso.
Acho que ando muito radical com esse tema, mas é que se todos fizessem um pouquinho a condição do planeta seria outra.
Os mercados andam cheios de produtos importados (China, Tokyo e por aí vai) as ruas cheias de lixo e de carros. O consumo cada vez mais em evidência, a importância para o capital cada vez mais intensa.
Ontem quando recolhi três garrafas da grama da praça me olharam com cara de descrença como se tivesse caído algo de mim por recolher o lixo de outro. A lixeira estava a um passo dali.
Acho que as pessoas pensam que o problema com o clima é ficção ciêntifica, tema para filmes e livros. Só pode ser isso.
Beijos pra vc carissima

 
On 3 de fevereiro de 2010 23:32 , Luma Rosa disse...

Li que há dois dias os principais países poluidores e os países mais afetados se reuniram em Paris em uma reunião pós-Copenhague e apresentar por escrito os seus compromissos em relação a emissão dos gases de efeito estufa. O que desanima é a lentidão, o blablabla e pouca ação. Enquanto eles conversam e escrevem, poluidores estão em ação. Essas imagens são tristes! :( Beijus,

 
On 4 de fevereiro de 2010 01:23 , João Menéres disse...

MARIA AUGUSTA

Sobre o desastre do homem como poluidor. nada tenho de novo a dizer.
Mas queria manifestaro quanto apreciei o maravilhoso trabalho fotográfico do J. Henry Fair.

"A BELA E O MONSTRO"...

Obrigado, por nos mostrares tudo isto.

Um beijo.

 
On 4 de fevereiro de 2010 10:07 , Maria Augusta disse...

Lunna, vai ser difícil reverter o quadro do individualismo e responsabilizar cada um : as pessoas, as empresas, os governos. Se começasse pelos governos teria jeito, pois são eles que ditam as leis. Mas como foi provado em Copenhague, para as lideranças mundiais o lucro imediato é mais importante...então "seja o que Deus quiser", não vejo luz no fim do túnel.
Um beijão.

Luma, não soube deste encontro pós-Copenhague, e aqui só se fala na derrota da Europa em relação às propostas que lá fez diante das reticências americanas e chinesas.
Realmente as prioridades não incluem o problema climático...
Beijos.

João, belo título você achou para estas fotos. O fotógrafo é mesmo muito bom, menos mediatizado que Yann Arthus-Bertrand, mas também com fotos de grande impacto.
Um abração.

 
On 5 de fevereiro de 2010 14:32 , Meire disse...

Impressionante!
Apesar da dor, as fotos sao belissimas e muitas delas sao muito parecidas com uma pintura.

bjs

 
On 6 de fevereiro de 2010 12:43 , expressodalinha disse...

Independentemente de toda a poluição ser obviamente má, o "climagate" e agora as declaraçãoes da própria ONU, abalam profundamente a história do aquecimento global, com suspeitas inconfessáveis.

 
On 7 de fevereiro de 2010 09:36 , Maria Augusta disse...

Meire, este fotógrafo conseguiu mostrar a beleza destas cenas terríveis, é incrível...
Um beijão.

Jorge, o "climagate" está mostrando como se pode manipular tudo neste mundo, não se pode confiar plenamente em ninguém. Mas apesar do aquecimento e suas causas estarem sendo postos em dúvida, os maltratos que causamos ao planeta com a exploração predatória de seus recursos e a poluição que criamos precisam ser vigiadas.
Um abração.