17.2.10 | Autor: Maria Augusta

Frantz Zephrini - uma das primeiras obras feitas no Haiti depois do seisma (fonte aqui)

Há alguns dias vi na televisão um concerto (aqui) onde artistas e personagens políticos e da mídia em geral se apresentavam para angariar fundos para a reconstrução do Haiti. Muito louvável, mas de tudo o que assisti neste programa, o que mais me agradou foi o discurso do ministro da cultura francês Fréderic Mitterrand. Ele citou o escritor haitiano Dany Laferrière, que disse em resumo : "Este país é pobre e sofreu uma catástrofe natural, mas não se deve olhar os haitianos como um povo de mendigos. Sua cultura é riquíssima e devemos ter isso em mente e respeitar sua dignidade". Então falou da importância da cultura para este povo, e que no ano de 2009 três entre os maiores prêmios literários de língua francesa foram ganhos pelos escritores haitianos e que sua pintura é célebre e renomada no mundo todo. Fiquei curiosa a este respeito, pesquisei e no site do jornal jornal "Le Monde", encontrei o link para a galeria Monnin, que traça um histórico dos artistas haitianos, da espontaneidade dos "naïves", até a evolução na direção do "fantástico". São realmente trabalhos magníficos, tudo muito colorido e com luz difusa que realça as obras como se elas emanassem uma luz interior, talvez a manifestação do forte misticismo que habita esta cultura. Veja alguns exemplos (passe o mouse sobre as fotos para ver as legendas) :

Esta galeria felizmente resistiu ao seisma, mas as obras que estavam no palácio presidencial desapareceram, e daquelas que estavam no museu Nader, uma enorme galeria particular contendo mais de 15000 obras dos mestres haitianos, poucas se salvaram. Além disso, os afrescos da igreja episcopal de Santa Trindade (foto abaixo) que eram verdadeiras obras-primas também foram perdidos.

©Jean-Claude Coutasse pour "Le Monde"

Mas o mais importante são sem dúvida as perdas humanas...confesso que não ousei pesquisar para saber quantos artistas entre os citados no diaporama acima ainda estão em vida. No entanto, a reconstrução já começou...os que sobreviveram colocaram "mãos à obra" e alguns tais como Frantz Zephirin acreditam mesmo que a tragédia pode servir como um eletrochoque para fazer seu povo despertar e buscar melhores condições de vida. Outros, como Jean-Louis Henri (foto abaixo) que está completamente traumatizado, preferem partir e se reconstruir no Exterior...mas deixando imortalizado sobre uma tela este momento de seu país.

© Jean-Claude Coutasse pour "Le Monde"

Todos reconhecem que o trabalho deles não será nunca mais o mesmo depois do que viveram neste 12 de janeiro. Mas não são pessimistas, como diz Reynald Joseph "Um quadro é um objeto artístico. E a arte não é feita para falar de tristeza. Mesmo deprimido, machucado, um haitiano se mantem de pé". Só nos resta desejar que a essência da alma haitiana emanada destas obras de arte, possa ajudar este povo a se reerguer.


Fonte dos depoimentos e das fotos : jornal "Le Monde" (aqui).
Outras obras dos artistas que estão no diaporama no site da Galeria Monnin (aqui).

Categoria: |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

23 comentários :

On 17 de fevereiro de 2010 02:27 , João Menéres disse...

Extraordinário o teu trabalho de pesquisa e o prazer da partilha que , efectivamente, tens.
Assim, muitos de nós ficamos a ter uma noção muito mais concreta da Pintura Haitiana.

Dos que vi, refiro os trabalhos de REYNALD JOSEPH, SIMIL e ALCIDE & AZOR, entre outros.

Muito e muito obrigado, MARIA AUGUSTA.

Um beijo.

 
On 17 de fevereiro de 2010 08:44 , Maria Augusta disse...

João, blogar nos proporciona esta oportunidade de pesquisar, organizar o que lemos, deixar gravado para voltar ao assunto quando desejarmos, e o mais agradável, partilhar com os visitantes. Acho isto muito enriquecedor, principalmente a troca de opiniões aqui na caixa de comentários. Como você, gostei demais da obra do SIMIL, no site da galeria Monnoi tem outras obras dele.
Um abração.

 
On 17 de fevereiro de 2010 10:58 , denise rangel disse...

"não se deve olhar os haitianos como um povo de mendigos. Sua cultura é riquíssima e devemos ter isso em mente e respeitar sua dignidade"
Uma excelente reflexão, Augusta.A Arte tem o dom de eternizar um povo.
beijo, menina

 
On 17 de fevereiro de 2010 11:37 , Georgia disse...

Maria Augusta, bom dia!

Que magnífico este teu post. As informacoes que você dividiu aqui conosco é de um valor extraordinario.
Nao sabia que eles tinham tantos pintores de tamanha beleza nos pincéis.

1) Lindas as araras de Albott;
2) A pintura de Alcides & Azor com a imagem da mae e a crianca;
3) A pintura do dia a dia das mulheres lavando roupa com o tocador de viola de Amerlin;
4) A mae com o filho no sofá num momento de carinho de Descollines;
5) Que beleza o Jardim do Éden de Gabriel Coutar;
6) Simplesmente linda a sala de Desarm;
7) A árvore de Jonas & Makenol;
8) Os homens peixes de Madsen;
9) A mulher de Riché;
10) A fantástica pintura de Duffaut da aglomeracao da cidade que cresce;
11) Excelente as pessoas pelas ruas da cidade de Reynald;
12) Lindo o paiol de cana de acucar que foi por muiuto tempo o equilíbrio financeiro do Haiti de Valow;
13) As criancas na escola de Wilson; imagino que cenas assim marcaram bem a catástrofe que aconteceu num momento onde às criancas ainda estavam estudando quando a catástrofe aconteceu.

É de imaginar mesmo que muitos estao machucados demais em seus interiores para poder continuar num cenário desses.

Um verdadeiro delírio todos esses artistas. Nunca vi nada tao lindo, tao cheio de vida do dia a dia do seu povo.

Parbéns!

E obrigada por nos trazer um post tao enriquecedor.

Um beijo enorme.

 
On 17 de fevereiro de 2010 14:26 , Marco Antonio disse...

Bom dia Maria Augusta, fiquei aqui um bom tempo pensando no conteúdo do seu post porque não sei exatamente como pensar esse tema. A arte nem sempre é apenas beleza, pelo menos não como eu vejo hoje. Antes eu pensava que sim, mas a maioria dos artistas parecem precisar da dor, do sofrer para então perceber a arte em suas entranhas.
Mas eu ainda preciso diferir melhor esse post, excelente.
Grande abraço

 
On 17 de fevereiro de 2010 18:55 , Celia disse...

Muito bom seu post, como sempre. Gostei muito da frase do Ministro da Cultura sobre o Haiti. Boa reflexao. Bj

 
On 17 de fevereiro de 2010 21:48 , Adriana Karnal disse...

Também assisti o programa ao Haiti.
Legal essa mobilização, ainda que tenha muito de "politicagem". Interessante seu post.

 
On 18 de fevereiro de 2010 00:29 , Sandra disse...

Maria Augusta!
Desculpe a demora pra vim agradecer..Mas..Estamos aqui.

Parabéns pelo belo trabalho e compartilhar conosco. Creio que é assim que faremos um bela cultura..Conhecimentos são construidos dessa forma.Você sempre muito notoria.
Parabéns..

Agradeço ainda o seu carinho na vítma da quinta.
amei...
És uma pessoa maravilhosa.

Estou participando da 2ª fase do concurso de poesia, do Blog do chico, lá Portugal..se vc. se sentir a vontade de dar uma passadinha lá. ficarei muito feliz..
http://olhardireito.blogspot.com/2010/02/3-poema-2fase-ideias-e-liberdades.html
Desde já agradeço o seu carinho..
Um grande abraço,
Sandra

 
On 18 de fevereiro de 2010 09:38 , Maria Augusta disse...

Denise, a arte expressa o sentimento do povo e enquanto ele puder se expressar ele existirá.
Obrigada pela visita e um grande beijo.

Georgia, eu também desconhecia este lado artístico dos haitianos, fiz descobertas escrevendo este post. Que bom que você analisou um a um os quadros, eles realmente pintam muito cenas do dia a dia impregnadas de poesia. Agora com a tragédia os temas predominantes mostram a devastação como o quadro do Zephirin no início do post, mas eles precisam desafogar esta dor nas telas neste momento.
Um beijão.

Marco, entendo quando você diz quando não concorda com a frase do Reynald Joseph. Também acho que a arte deve provocar emoções, sejam elas de alegria ou de tristeza, como no caso de Picasso quando pintou Guernica.
Um abraço grande.

Célia, a frase dele é muito importante, pessoalmente só via o Haiti como um país pobre, na verdade ele é pobre apenas materialmente, culturalmente é muito rico.
Um grande beijo.

Adriana, infelizmente tudo o que é feito tem a "politicagem" incluida, e no caso dos artistas a autopromoção além da generosidade. Mas "c'est la vie", não é mesmo? Se conseguirem ajudar os sinistrados, vale a intenção.
Beijos e obrigada pela visita, volte sempre.

Sandra, você foi uma "Vítima da Quinta" muito entusiasmada, tenho certeza que o "algoz" vai ficar contente com a tua reação. Vou passar mais tarde para ver tua participação no concurso de poesias.
Um grande beijo.

 
On 18 de fevereiro de 2010 16:08 , Tertúlias... disse...

MUITO BEM!!!!!!!!

 
On 18 de fevereiro de 2010 16:18 , sonia a. mascaro disse...

Que excelente post, Maria Augusta!
Confesso a você que não conhecia nada da arte do Haiti e fiquei admirada da beleza de muitas pinturas. Foi mesmo uma tragédia a que se abateu sobre o povo do Haiti.
Ótimo o slide show e os links. Vou ouvir o Concert "Pour Haiti" logo mais.
Deve ter dado muito trabalho fazer um post como este. Obrigada!
Beijos.

PS: O link da primeira pintura de Frantz Zephrini para mim deu página não encontrada.

 
On 18 de fevereiro de 2010 16:29 , sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta,
Como não tenho o seu e-mail, estou enviando aqui para você dois links de dois post do blog de um amigo, que acompanho (e vice-versa) desde que comecei a blogar. Ele é o Peter, sueco radicado em Paris há muitos anos, com um blog excelente. Suas fotos e informações sobre Paris são ótimas! Tenho conhecido virtualmente Paris através de seu blog.
Aposto que você vai gostar do blog
Peter' Paris, como também dos dois post sobre perfume, que você pode ver Aqui Parte One e
Aqui Parte Two
Beijos.

 
On 18 de fevereiro de 2010 19:05 , Lunna disse...

É claro que existe arte em todos os quatro cantos do mundo, mas confesso ignorância total quanto a arte desse País. Aguçou-me aqui e olha, parte de mim acredita que embora esse artista não venha mais a ser o mesmo da mesma forma sua arte não será mais a mesma e isso é o que fascina na arte. A capacidade de transformação.
Vou pesquisar mais sobre o fato.
Bacio carissima

 
On 19 de fevereiro de 2010 01:29 , Selena Sartorelo disse...

Olá Maria Augusta,

Parabéns pela postagem que sacode a mente da gente com tanta habilidade. Tua demonstração de solidariedade é respeitável. E acredito que essa é a melhor maneira de colaborarmos com um povo que tanto tem a oferecer e não pode ser dado como memória morta. Novamente te parabenizo pela qualidade nas postagens que faz e que essa sensibilidade esteja sempre presente, pois toda vez que venho aqui aprendo coisas novas.

beijos,

 
On 19 de fevereiro de 2010 09:28 , Maria Augusta disse...

Tertúlias, obrigada pela visita e um abraço.

Sonia, que bom que gostou, e obrigada por me avisar sobre o link quebrado, já o consertei.
Quanto ao blog do Peter, já o conhecia, não sabia que ele é seu amigo. Os posts que ele fez sobre perfumes são maravilhosos, gostei muito do "circuito de perfumes" de Paris que ele trouxe.
Um grande beijo para você.

Lunna, é mesmo, a arte serve para traduzir as emoções que a vida traz ao artista e ele evolui com suas alegrias e suas dores.
Um beijão.

Selena, fiz este post mais por admiração diante da beleza das obras que por solidariedade, embora esteja solidária em relação ao sofrimento deles. Quis ressaltar este lado desconhecido, este talento artístico inato que eles tem, pois eu e a maioria das pessoas só conhecia a pobreza, e agora a tragédia deste país.
Um beijo grande.

 
On 19 de fevereiro de 2010 16:36 , sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta, já segui o link "Haïti, les peintres de l'espoir". Obrigada!
Que bom que você gostou dos post do Peter.
Um ótimo final de semana.
Um beijo grande.

 
On 20 de fevereiro de 2010 14:26 , Diz disse...

Beleza de post!
Eu não conhecia nada de arte do Haiti- merci.
Alguns são mto bons.
Interessante q só vi um desenho.
Bjão, Laura

 
On 21 de fevereiro de 2010 12:49 , Allan Robert P. J. disse...

Informações importantes e desconhecidas. Muitos italianos nem sabiam onde fica o Haiti e o confundem com o Tahiti. A imagem passada pela tv mostra sim um povo de mendigos, que não sobreviverá sem ajuda internacional e desprovido de cultura. No entanto, todos conhecem Santo Domingo, paraíso do turismo sexual de muitos deles. Ali, na outra metade da ilha.

 
On 21 de fevereiro de 2010 17:21 , expressodalinha disse...

Maria Augusta, só você para descobrir estas preciosidades e dar a uma tragédia um toque de humanidade e cultura. Fantástico!

 
On 21 de fevereiro de 2010 18:18 , Maria Augusta disse...

Sonia, os posts sobre perfumes são irresistíveis para mim rs.
Um grande beijo para você.

Laura, sempre se encontra algo belo mesmo no meio dos escombros...e este povo é pobre apenas materialmente.
Um beijão para você.

Allan, muitos confundem mesmo o Haiti e o Tahiti, um avião romeno com ajuda para o Haiti até aterrissou no Tahiti...E estes paises são mais conhecidos por serem aqueles onde as pessoas fazem aquilo que não podem fazer na terra deles, pois é proibido. Ninguém olha as pessoas e o valor delas, que são eclipsados pela pobreza e pela tragédia.
Abraços.

Jorge, eles foram os primeiros a lutar contra a escravidão e vencer, foi a primeira república negra do mundo ocidental. A cultura deles é muito rica, pena que a corrupção os colocou nesta situação difícil mesmo antes do terremoto.
Um abração.

 
On 21 de fevereiro de 2010 22:23 , Fatima Cristina disse...

Olá Maria Augusta!

Lindos os trabalhos do Haiti mostrados no slide-show. Como disse o Jorge em seu comentário, você conseguiu com esse seu post dar um toque de humanidade e cultura na tragédia daquele país.

Meu filho mais novo doou de sua mesada 4 Euros para o Haiti 2 semanas atrás. Ele me disse, "Mae eu nem conhecia esse país antes do terremoto ser anunciado na televisao. Mas eles estao precisando e temos de ajudar!" Me emocionei...

O povo Haitiano se erguerá com certeza e ainda nos mostrará muito mais de sua arte e sua garra!

Beijos!

 
On 22 de fevereiro de 2010 08:52 , Maria Augusta disse...

Fátima, teu filho é uma pessoa sensível ao sofrimento dos outros, certamente porque você e seu marido deram a ele bons valores de humanidade.
Beijos e uma boa semana para você.

 
On 24 de fevereiro de 2010 12:30 , Francy´s Oliva disse...

Oi Maria Augusta, parabéns pela homenagem, seu blog com toda certeza merece e logo, você também.
Estou tomando a liberdade de "copiar" a imagem do seu blog, espero que não se importe para linkar lá no meu. Caso não agrade, me avise tá.
Agora, eu só conheço o mar através das palavras dos poetas e acho lindo essa forma de conhecer.
Beijitos