13.1.10 | Autor: Maria Augusta

Foi divulgado recentemente (aqui) um estudo mostrando o que mudou nos hábitos culinários franceses nos últimos dez anos. Pois é, em relação à cozinhas, eles são apegados à qualidade, mas também à tradição. Mas houve várias mudanças durante este período, que chegaram devagarinho, mas estão ganhando força. Veja um "glossário" delas...

Amendoim : existe 5 vezes mais alergias ao amendoim atualmente que há dez anos atrás. Outras alergias que a pareceram ou recrudesceram foram as alergias causadas pela clara de ovo, gluten e leite de vaca.

Bio : os produtos provenientes da cultura biológica estão em alta vertiginosa, apesar de ainda serem mais caros que os outros e muitas vezes o gosto é bem diferente...medo dos efeitos dos pesticidas sobre a saúde?...

Bistronomia : os restaurantes finos e sofisticados com seus pratos sofisticados estão perdendo terreno para os que servem refeições mais simples, mas de alta qualidade, muitas vezes preparadas pelos grandes chefs e que são chamados "bistrôs". Sinal da crise? Em todo caso, a conta é menos indigesta que nos restaurantes famosos...

"Cestas" : é quando as pessoas que moram na cidade passam um contrato com os agricultores financiando parcialmente sua atividade em troca de uma cesta semanal com frutas e legumes da plantação destes.

Cozinha : cada vez mais e para todo lado se abrem escolas de cozinha, as pessoas estão voltando a preparar a propria refeição, deixando de lado a cozinha industrializada. "Pão durismo" ou sinal de que as prioridades de vida estão mudando?

Fast foods : a fama de comida que engorda dos que vendem sanduiches e sodas está levando ao aparecimento de um novos tipos, onde se pode comer rapidamente uma refeição mais sadia, como por exemplo os bares de sopas, bares de massas e os que servem bio, naturalmente...

Legumes esquecidos : alguns vegetais que haviam saido de uso (principalmente o "tupinambour" e o "rutabaga" que eram consumidos na época da guerra) estão voltando, é comum encontrar nos supermercados legumes completamente estranhos...é preciso coragem para experimentar!

Locais : a tendência também é comer os produtos locais e da estação, deixando de lado os que vieram de longe (só espero que não desapareçam completamente, gosto de comprar leite de coco e a raríssima mandioca que no Brasil eu não comia, mas aqui como não tem me dá vontade...), ou os que são produzidos artificialmente fora da sua época.

Sustentável : muitas pessoas procuram consumir produtos que tem o label "comércio sustentável", que teoricamente foram comprados a um preço justo diretamente junto aos pequenos produtores dos paises em desenvolvimento, eliminado os atravessadores. Difícil saber se é realidade ou ilusão...

O assunto é vasto, também li sobre as tendências da cozinha brasileira e de outros paises, mas fica para outro post. E você, mudou algo em seus hábitos alimentares recentemente? De qualquer forma, seja qual for sua tendência, "Bom apetite!".


Update (17/01/2010)

A Sonia encontrou o "tupinambour" no site "Quental Ecológico" , o texto diz o seguinte :

"O Tupinambo (tupinambor, topinambo, girassol-batateiro) é um substituto ideal batata na sua alimentação, principalmente se é diabético ou celíaco
O Helianthus tuberosus é conhecido sob vários nome populares, principalmente, tupinambo, tupinambor ou tupinambour nos países latinos e “Jerusalem artichoke” (alcachofra de Jerusalém) nos anglo-saxónicos, ou ainda em Portugal como girassol-batateiro. " (leia mais aqui)

Quanto ao "rutabaga", é uma espécie de nabo, encontrei uma foto dele :




Categoria: |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

19 comentários :

On 13 de janeiro de 2010 03:32 , Lunna disse...

Boa noite Maria Augusta, olha eu confesso que sempre gostei de preparar minha própria comida e adoro inventar moda na cozinha.
E ao ler seu post lembrei da "bagunça" na cozinha para preparar o almoço e era algo muito divertido, a comida ficava deliciosa. Não sou muito fã de restaurantes, só em último caso ou quando não tenho outra alternativa. Caso contrário, adoro comida feita em casa, pessoas na cozinha (como há pouco em que fiz algo que aprendi com a nona e fazia tempo que não fazia isso). Todo mundo na cozinha (até o cão) e depois de algum tempo a mesa está posta em meio a um suco de fruta feito com frutas do quintal. Chá de folhas do quintal.
Acho que há uma mágica especial em tudo isso e acho que é justamente o que está sendo resgatado, de certa, só não sei se é por livre e espontânea vontade. rs
Beijos

 
On 13 de janeiro de 2010 03:37 , Gisa disse...

òtimas dicas Maria, AMEI.

 
On 13 de janeiro de 2010 08:42 , Eduardo P.L disse...

Maria Augusta,

um post bem feminino, caseiro e útil!

 
On 13 de janeiro de 2010 09:39 , Fatima Cristina disse...

Bom Apetite Maria Augusta!

Se o post é "feminino" eu questiono, mas que define bem a tendência européia de hábitos alimentares atuais eu garanto. O mesmo acontece aqui na Áustria.

Eu gosto de comida feita com ingredientes frescos e a base de legumes da época. No entanto, nem sempre é possível não se render a uma rápida refeição de rua quando a pressa nos limita.

Nunca ouvi falar em "rutabaga", seria o "nabo"?

Beijos!

 
On 13 de janeiro de 2010 10:16 , Maria Augusta disse...

Lunna, parece que esta tendência de preparar a própria comida está voltando por aqui. Eu não era muito fã, quando morava sozinha comprava tudo pronto, depois que casei que comecei a cozinhar, até que gosto. Reconheço que é mais sadio.
Um beijão.

Gisa, obrigada pela visita, é uma descrição de mudança de hábitos em dez anos, sem sentir as pessoas mudam de comportamento, acho interessante.
Abraços.

Eduardo, acho que é masculino também, pelo menos aqui na França os homens vão aos supermercados e feiras tanto quanto as mulheres e cozinham também rs., sem falar nos restaurantes, onde os maiores chefs são homens.
Abraços.

Fátima, então aí na Austria a tendência está neste sentido. Acho que são ciclos a cozinha industrializada cresceu com o fenômeno das mulheres passarem a trabalhar fora (para economizar tempo), e agora se chegou à conclusão que uma coisa não impede a outra, e é mais sadio cozinhar em casa produtos frescos. Quanto aos fast-foods, é verdade que nem sempre dá tempo de almoçar normalmente e temos que apelar para eles.
Um grande beijo.

 
On 13 de janeiro de 2010 19:11 , Adelino P. Silva disse...

Augusta, nada entendo de culinária, mas achei o post bem educativo.
Um grande abraço.

 
On 14 de janeiro de 2010 10:22 , Maria Augusta disse...

Adelino, obrigada pela visita, na verdade não são conselhos de como se alimentar, mas uma constatação sobre as mudanças em relação à forma de comer qua aconteceram nos últimos dez anos aqui na França.
Um abração.

 
On 14 de janeiro de 2010 12:49 , Georgia disse...

Maria Augusta, boa tarde!

Estou com a minha pequena família por aqui resfriada, gracas a Deus eu nao,por isso o tempo está pouco.

Eu mudei bastante meus hábitos nesses 15 anos de Alemanha, até porque nao é fácil encontrar as nossas coisas por aqui. Com isso descobri outros pratos maravilhosos que no Brasil eu desconehcia como: Salada de tomate com mozarela branca; Spätzle; saladas e legumes da estacao e muitos deles que eu desconehcia no Brasil.

A Alemanha tb está mudando seus hábitos, comendo mais foods e sanduíches na hora do corre corre.
Aqui em casa os legumes sao sempre frescos e cozinho todos os dias uma comida quente e feita de muitos legumes.

Pode me dizer o nome desses legumes ai que vc escreveu no seu post? Eu desconheco.

Post muito bom e me deu um apetite, rs.

Beijao

 
On 14 de janeiro de 2010 18:40 , Luma Rosa disse...

Maria Augusta, não pude deixar de comparar os hábitos que foram mudados com o que percebo por aqui. Talvez a mudança seja global! (rs*) Beijus,

 
On 15 de janeiro de 2010 08:47 , Maria Augusta disse...

Georgia, espero que os pequenos sarem logo do resfriado, o aumento das temperaturas pode ajudar. Eu também descobri legumes diferentes aqui, mas estes que citei são realmente raros, a "rutabaga" parece um nabo, e o "toupinanbour" me disseram que é uma raiz, mas não achei nenhuma foto...
Um beijão.

Luma, agora com a mundialização até os hábitos alimentares se padronizam, é verdade.
Um grande beijo.

 
On 15 de janeiro de 2010 10:46 , Marco Antonio disse...

Percebo isso aqui em casa, antes a gente saía pra jantar várias vezes. Tinhamos até mesa reservada em algunas restaurantes de São Paulo. Mas nos últimos dois anos isso mudou, tudo bem que a Lu adora cozinhar e eu adoro comer tudo que ela faz, mas mesmo assim a gente tinha esse hábito que foi se perdendo. E eu devo concordar que é bem mais agradável estar em casa, preparando os alimentos de forma saudável, sabendo o que esta sendo usado e tudo mais.
E acho louvável dar preferência aos produtos locais. Grande abraço

 
On 15 de janeiro de 2010 11:23 , Wania disse...

Maria Augusta

Acho que isso é um tendência natural e mundial de resgatarmos o lado saudável da alimentação mais natural unido ao prazer de resgatar o convívio em família.

Acho que depois de termos experimentado os dois lados tão opostos desta situação: comidinhas caseiras feitas pelas nossas avós e mães e as "fast-foods" se adequando a correria do nosso dia-a-dia, estamos encontrando o verdadeiro equilibrio desta balança! Fora tudo que se estuda e se descobre cada dia mais nesta área, o que seria um desperdício não aplicar tudo isso na prática!

Olha, eu gosto de fazer da "cozinha" um ponto de encontro da família e dos amigos, gosto de inovar no cardápio e de usar coisas fresquinhas e sem agrotóxicos (tenho uma hortinha com vários temperos em casa) mas nem sempre tenho o tempo que gostaria para isso!


Lindo post!
Bjão, amiga!

 
On 15 de janeiro de 2010 19:55 , Celia disse...

Muito interessante informativo seu post. Muita coisa realmente mudou. Alimentacao mais saudavel é uma nova acho que em todo lugar.
Muita neve ainda por ai? Aqui tá simplismente lindo. Bom fim de semana. Bj

 
On 15 de janeiro de 2010 23:55 , marialynce disse...

Olá maria Augusta! Já faz um tempinho que aqui não vinha, mas também a minha actividade na blogosfera tem sido muito reduzida, aos poucos vou retomando...
o seu post é muito curioso, e apetitoso...Eu não tenho assim mudado muito os meus hábitos alimentares...na realidade não sou grande fã de cozinhar, gosto de comer mas nada de fazer...prefiro pratos simples, pouca carne, muitos vegetais, peixe, sopas, "bios"...mas gosto de experimentar novos sabores.
Beijinhos!

 
On 16 de janeiro de 2010 16:31 , Francy´s disse...

Nossa, não existe nada melhor que uma comidinha quentinha, feita em casa. Pena que eu não sei fazer, mas sei comer, viu? rs Beijitos

 
On 16 de janeiro de 2010 18:54 , Sandra disse...

Ola Maria Augusta!
Que delicia tudo aqui.
Muito interessante,o seu texto.
Sempre é maravilhoso, estar preocupados com o que nos alimentamos.
Saber da sua procedência, se preocupar com a validade, principalmente, com o manuseio desses alimentos.
Pois nossa vida saudável, depende deles.
Tudo o que nos alimenta nos fortalece.
Adoro comida feita em casa, com carinho e capricho. as vezes pra varear um pouco, vou a um bom restaurante.
Mas sempre observando tudo.
Fica aqui meu carinho e o meu abraço.
Um bom final de semana para vc amiga.
Quando puder, aparece. Será um prazer te receber.
Sandra

 
On 16 de janeiro de 2010 19:33 , sonia a. mascaro disse...

Um post interessante e informativo, Maria Augusta!
É também uma tendência aqui de consumir e valorizar os produtos orgânicos e saudáveis. Outro dia vi numa reportagem sobre o aumento da obesidade em nosso país, imagens de brasileiros andando nas ruas e eles eram muito mais esbeltos.

Nunca havia ouvido falar em
tupinambour e rutabaga e fui ao Google. Encontrei num
site Quental Biológico uma receita do tal tupinambour.
Beijo grande e um ótimo final de semana.

 
On 17 de janeiro de 2010 09:21 , Maria Augusta disse...

Marco, como a Lunna adora cozinhar, é normal que vocês frequentem cada vez menos os restaurantes. Nada como saber o que contem os pratos que comemos e que foram preparados com carinho, não é mesmo?
Um abração.

Wania, como você disse, o fator determinante é o tempo, e por causa dele ja que não podemos preparar tudo nós mesmos temos que encontrar um equilíbrio entre a comida caseira eos "fast-foods". Legal que você tem uma horta na tua casa.
Um beijão.

Célia, imagino que na tua casa a comida caseira seja excelente, pois você e seu marido são bons cozinheiros.
A neve fundiu por aqui, mas teremos mais na semana que vem, segundo a meteorologia.
Beijos.

Marialynce, nem todos nós gostamos de cozinhar, mas acho que o importante é comer coisas sadias e naturais, embora não sejam muito elaboradas. Também gosto muito de experimentar novidades.
Um grande beijo.

Francy's, se temos alguém para preparar uma comidinha caseira gostosa para nós é melhor ainda, né?
Um beijão.

Sandra, o carinho e o cuidado na preparação também são importantes, você tem razão. Obrigada pela visita e um bom domingo para você também.
Beijos.

Sonia, este problema da obesidade é sério e toca muitos paises. Aqui na França existe o "paradoxo francês", eles comem bastante e não são obesos, talvez devido ao tipo da comida. Que bom que você encontrou o "toupinambour", não tinha encontrado nada em relação a ele.
Um grande beijo.

 
On 30 de setembro de 2013 18:08 , Jorge Ramiro disse...

Eu também gosto de cozinhar. Eu trabalho como cozinheiro em ums restaurantes em jardins. É a minha paixão.