8.9.09 | Autor: Maria Augusta

A Lorraine, aqui na França, é uma região do "interior", e Nancy, cidade onde moro fica a aproximadamente 300 Km de Paris...mas embora não seja tão badalada quanto a Capital, ou as regiões do sul como a Côte d'Azur aqui também acontecem coisas interessantes. E uma delas começou a acontecer há mais de 100 anos (na época a cidade recebeu um grande afluxo de capitais dos vizinhos alsacianos ricos que fugiram do dominio alemão, que por ter vencido a guerra de 1870 anexaram a Alsácia e boa parte da Lorraine) e foi a art nouveau, movimento do qual Nancy foi um berço aqui na França. Pessoalmente o que aprecio na art nouveau é que ela estendeu a palavra "arte", que antes era aplicada somente à pintura, escultura e arquitetura aos objetos do cotidiano, como os vasos, os vitrais, os móveis, as jóias, criando o que chamamos hoje de "artes decorativas"...sem falar nos temas trazidos da natureza, como os pássaros, as flores e plantas em geral, a mulher, o mar. E neste verão a região relembrou a "art nouveau" trazendo várias exposições, sendo que a mais interessante foi a de Emile Gallé, na cidade de Vic sur Seille.

Vaso de Emile Gallé tendo como tema a orquídea

Emile Gallé foi um dos maiores expoentes da art nouveau, com seus móveis de marqueteria, suas cerâmicas e principalmente seus vasos de vidro e cristal cheios de simbolismos. Sim, porque além da parte artística, muitos de seus vasos traziam mensagens políticas e patrióticas...por exemplo, a libélula que aparece em seus vasos significa o luto pelas províncias anexadas pelos alemães; a "cruz de Lorena" com a "flor de lys" símbolo da França evocando Joana d'Arc; o "Dragão contra Pelicano" que foi dedicado aos patriotas irlandeses em luta contra a Inglaterra; o vaso "Os Homens Negros", onde a cor faz referência à consciência dos acusadores no caso de anti-semitismo envolvendo Dreyfus.

Vaso "Dragão contra Pelicano" de Emile Gallé

Uma das influências mais importantes na sua obra foi a arte japonesa, da qual ele apreciava o modo como ela representava a natureza (ele também era botânico), e este foi o foco da exposição de Vic sur Seille, da qual trago algumas obras no diaporama abaixo, com seus vasos e cerâmicas mostrando orquídeas, crisântemos, magnólias, libélulas, mariposas, morcegos, peixes, enfim as faunas e as floras terrestre e marítimas...espero que gostem.










Veja também :

Vídeo da exposição


Categoria: , , |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

14 comentários :

On 8 de setembro de 2009 13:22 , Georgia disse...

Ai Maria Augusta, cada vaso mais lindo que o outro. Gosto demais dessas coisas;

Que encanto e quantas histórias se escondem dentro desses vasos.

Que cores, que formas, que beleza!

Um beijo grande

 
On 8 de setembro de 2009 13:48 , Wania disse...

Lindíssimo post, Maria Augusta!

Adoro este tipo arte, me encanta ver a delicadeza dos traços, as cores e o contraste do fosco com a transparência... e o vidro se presta pra isso! Mais bonita fica pelo significado que o artista aplica à obra na escolha dos motivos ao criá-la.
Eu, particularmente, adoro pratos de coleção, estes mostrados aqui são belíssimos também!

Gallé tb retratou paisagens do Rio de Janeiro em suas peças, também lindíssimas!

Começo minha semana iluminada por este "vitral" de imagens proporcionado por ti... nada melhor! Obrigada!

Bjs e boa semana pra ti tb!

 
On 8 de setembro de 2009 14:09 , Eduardo P.L disse...

Esse período da história das artes fou muito criativo! A Art nouveau ficou para sempre!

 
On 8 de setembro de 2009 14:16 , Kovacs disse...

Maria Augusta, não dá para ficar muito tempo sem passar por aqui! Bem destacado por você a aplicação deste estilo aos objetos do cotidiano e não apenas na Arquitetura. Muito linda a postagem!

 
On 8 de setembro de 2009 19:19 , ElmaCarneiro disse...

Eu gostei.
São peças belíssimas de arte e requinte.
Parabéns pela valorosa exposição.
Beijooo

 
On 8 de setembro de 2009 22:32 , Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, isso parece um sonho.
Que peças mareavilhosas!
Imagino o quanto deve ser maravilhoso aprecia-las bem de pertinho.
Tenha uma boa semana meu bem.
Um beijo

 
On 9 de setembro de 2009 01:47 , Selena Sartorelo disse...

Tua postagem mais uma vez transmite conhecimento e um jeito inteligente de informar.
Lembrei imediatamente de um livro que chamo de meu livro de cabeceira, onde Van Gogh fala sobre a arte japonesa. Lembrei também dos objetos de murano que tive acesso durante toda a minha vida e só fui saber o quanto aquilo era arte depois que li sobre sua história.
Lindos objetos com arte que apresenta aqui, saber o porque das coisas realmente é muito bom.

Mora num berço de memória que maravilha isso.

beijos e obrigada.

 
On 9 de setembro de 2009 04:41 , Lunna disse...

Hoje pela manhã estava pesquisando sobre algumas cidades da França e uma das minhas leituras foi justamente sobre a região da Lorraine.
Quanto as formas e cores, ando "navegando" bastante por essas formas de "ilusões" para "construções" a partir do olhar da minha personagem.
Grata pela "desconstrução" de formas e estilos.

 
On 9 de setembro de 2009 07:28 , Meire disse...

Daria tudo pra estar um destas exposiçoes...Vasos maravilhosos e qdo sabe-se da historia de cada tornam-se ainda mais belos.
Bjs

 
On 11 de setembro de 2009 00:11 , sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta, adorei esse post com essas belíssimas obras art nouveau que aprecio tanto! Gostaria de poder ver essas maravilhas pessoalmente!
Obrigada por você ter feito, como sempre, um post tão bonito e caprichado!
Beijos.

 
On 11 de setembro de 2009 00:54 , Luma disse...

Maria Augusta, ele deve ser uma referência no mundo das artes, mas eu não o conhecia. Gostei dos vasos e também das cerâmicas/porcelanas que parecem com trabalhos orientais. Gostei em especial de dois vasos, um que me fez lembrar do seriado "Jeanne é um Gênio" (rs*) e outro com forma invertida, sendo estreito embaixo e alargando para cima, redondão. As cores usadas são bastante harmoniosas também! Gostei, gostei!! Beijus

 
On 11 de setembro de 2009 15:03 , Marco disse...

Fiquei aqui namorando os detalhes desses vasos. Nunca estive numa exposição desse tipo. Não ainda. Embora lembre de ter visto fotos de uma exposição na China, mas é sempre diferente ver fotos ou imagens. O olhar de perto deve ser muito mais apetitoso, não?

 
On 13 de setembro de 2009 09:15 , Maria Augusta disse...

Georgia, estes vasos dão realmente obras de arte, para esta exposição vieram de vários museus do mundo e também de coleções particulares.
Um beijão.

Wania, Gallé utilizou técnicas complexas que ele mesmo criou para a criação destes vasos, e é verdade que o resultado é belíssimo e sempre com uma mensagem, ainda que seja de louvor à natureza. Quanto aos vasos Gallé "Rio", existe uma polêmica sobre a época que foram criados, parece que alguns teriam sido feitos apos a morte de Gallé, mas com seu estilo.
Um grande beijo.

Eduardo, a art nouveau marcou o início de uma época de grande criatividade e onde as novas técnicas disponíveis para os artistas começaram a se difundir, foi realmente muito rica.
Um abração.

Kovacs, a arte nesta época começou a se expandir a todos os domínios, e acho isto muito positivo.
Um grande abraço.

Elma, a exposição foi muito linda mesmo...mas sou suspeita para falar, adoro a transparência e a art nouveau.
Um grande beijo.

Aninha, vê-las de pertinho traz mesmo uma grande emoção, vale a pena mesmo depois da fila para entrar e do empurra-empurra lá dentro, pois esta exposição foi muito concorrida.
Um grande beijo.

 
On 13 de setembro de 2009 09:29 , Maria Augusta disse...

Selena, que bom que você fala de van Gogh, durante esta semana que passou estive em Basel para ver a exposição dele, depois conto tudo. Os cristais e vasos de Murano também são muito lindos, com aquelas cores vibrantes brincando com a transparência.
Um beijão.

Lunna, imagino como deve ser interessante tua viagem pela França com os olhos de artista plástica de tua personagem Debora...
Um grande beijo.

Meire, talvez estas exposições passem por Roma, ou então muitos destes vasos podem ser vistos nos museus de artes decorativas das grandes cidades da Europa.
Um beijão.

Sonia, a art nouveau é tão delicada e cheia de significados, né? Também gosto muito. Obrigada pelo comentário e um grande beijo para você.

Luma, Gallé é um dos grandes expoentes da art nouveau, faz parte da "Ecole de Nancy" que foi uma das mais importantes deste estilo. Ele teve uma grande influência da arte japonesa, como ele era botânico a usou para criar seus vasos que reproduzem fielmente a fauna e a flora.
Beijos.

Marco, o olhar de perto é muito melhor sem dúvida, muitas vezes a foto não é fiel às cores e no caso dos vasos não reproduz exatamente o efeito da transparência. Espero que você tenha a oportunidade de ver uma exposição assim, já vi uma sobre artistas do vidro em São Paulo.
Um abração.